Bate que eu gosto, até a página 2?

Nassif noticiou que o ombudsman da Folha de São Paulo, Mário Magalhães, pediu demissão do cargo na última sexta (04/04) por não ter concordado em "deixar de escrever a crítica diária na internet". Será que eu entendi? O jornal exigiu que a coluna saísse apenas semanalmente e no jornal impresso. Será que a Web estava amplificando demais as críticas do ombudman?

Em sua última crítica, Magalhães explica o argumento da Folha para tomar essa decisão: no ambiente de concorrência exacerbada do mercado jornalístico, idéias e sugestões do ombudsman são implementadas por outros diários.

Na sequência ele critica essa justificativa porque as informações continuarão circulando. Com a difusão por e-mail, será ainda mais difícil conter a distribuição irregular das anotações do ouvidor. ... Eventuais interessados, se bem articulados, terão como lê-las. Que segredo sobrevive a centenas de destinatários?

Quem sai perdendo: Já os leitores ditos comuns, os que fazem a fortuna de toda empreitada jornalística de sucesso, serão barrados.




Comments

Post new comment

The content of this field is kept private and will not be shown publicly.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Allowed HTML tags: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Lines and paragraphs break automatically.

More information about formatting options