Nova versão do Descolando! quer mediar a comunicação entre estudantes

Em maio de 2007 publiquei no meu blog anterior um post apresentando o Descolando!, um site para estudantes universitários avaliarem os professores deles. Dei as boas vindas ao projeto particularmente por sua ousadia, por explorar o potencial desestabilizador da internet.

Esses dias recebi uma nova mensagem do Fábio Cardoso, que é um dos sócios do Descolando! e foi a pessoa de quem eu tive contato antes de escrever sobre o site. Ele me avisava que estão lançando uma nova versão que fará do site um espaço para os universitários trocarem informações, materiais e experiências.

De cara achei ruim porque pareceu que a ação tinha aberto mão da ousadia para oferecer um serviço que concorre com Orkut e outros sites de relacionamento estabelecidos. Por que um universitário trocaria o Orkut onde ele já tem uma rede de contatos para ir a um ambiente novo desenvolvido e mantido por uma equipe pequena?

Apesar da falta de tempo, fomos conversando por email. O Fábio foi atencioso, respondeu às minhas questões, e acabei contente pela evolução do Descolando! Continuo achando que o nome deveria ser outro, mas já não duvido que eles estejam na trilha para produzir um case e conquistar seu lugar ao sol como o pessoal do Videolog.

Leia a seguir a entrevista em que o Fábio explica porque eles estão apostando na versão nova do projeto, como eles estão sobrevivendo enquanto não entra dinheiro, como funciona a incubadora onde eles trabalham, o processo para a criação do Plano de Negócios e sobre as perspectivas de monetização do Descolando!

O que faz com que voces acreditem que existe espaço para uma rede social focada em estudantes? o que voces podem oferecer de diferente em relação a orkut, facebook e myspace?

Hoje são cerca de 5 milhões de universitários no Brasil, em 2011 estimativas calculam que serão 9 milhões. O mercado de educação está super aquecido com fusões de faculdades privadas e aquisições de universidades por grupos estrangeiros e nacionais. Estão sendo feitos investimentos pesados nesse setor.

Por outro lado, a internet vem ganhando uma cara diferente, depois do Orkut, surgiram dezenas de outras redes sociais, muitas delas com uma proposta semelhante. As redes que buscaram um diferencial têm obtido êxito, como é o caso do pessoal do Via6.

O descolando! está direcionado para um mercado específico e nosso foco é na utilidade, é aí que acredito que teremos sucesso.

Durante um período na faculdade, um aluno chega a cursar cerca de 8 disciplinas dependendo do curso e do semestre. Conseguir materiais de períodos anteriores, tirar dúvidas sobre as provas e trabalhos, obter informações sobre professores, eventos acadêmicos ou qq tipo de informação, tudo isso hoje é feito de uma forma pulverizada. Algumas informações são trocadas por e-mail, outras no jornal das faculdades e outras nos corredores. O descolando! une isso tudo em um só lugar.

Páginas acadêmicas que funcionam como "comunidades" para troca de informações e materiais. Microblog para facilitar a comunicação, upload e dowload de materiais, avaliação de professores e o currículo on-line, que vem para ajudar o universitário na hora de entrar ara o mercado de trabalho.

Um dos entraves para um usuário aderir a uma nova rede social é ter que construir sua rede de amigos do zero. Assim, à medida que fomos inserindo funcionalidades que integrem o descolando! a outras redes (app para Orkut, integração do nosso microblog com twitter, importar contatos, integração com OpenSocial, etc) a utilidade do nosso serviço será o diferencial.

Como voces estao pagando as contas para sobreviver até o projeto virar?

O investimento feito até hoje vem do nosso próprio bolso. Eu pessoalmente, tinha uma grana guardada, mas que não dava para muito tempo, depois que acabou (e sempre acaba antes do previsto) tive que me virar. Acreditamos muito no descolando! e acho que o início tem que ser assim mesmo. Hoje, temos um produto excelente no ar, não apenas uma idéia no papel, a rede está rodando e os universitários estão usando, da gosto de ver! Não foi fácil chegar até aqui com grana nossa, tendo que pagar equipe, sala, despesas pessoais, etc...

Como funciona a incubadora da PUC? o que ela oferece aos participantes? quais são os critérios para se receber os benefícios?

O instituto Gênesis (nome da incubadora da PUC) possui três incubadoras: tecnológica, cultural e design. Para incubar uma empresa é preciso que um dos sócios seja aluno ou ex-aluno da PUC. É necessário apresentar um plano de negócios da empresa que será avaliado por uma banca formada por empresários e professores.

A incubadora possui uma equipe para orientar as empresas incubadas: assessoria de impressa, jurídica e de gestão. Mas no dia-a-dia, tudo vai depender do empreendedor que está a frente do negócio.

Eu vivo esse ambiente a bastante tempo e digo que o principal benefício de estar incubado na PUC é carregar o nome da instituição, muitos contatos acabem se viabilizando por isso. Outro ponto importante é a localização, para nossa equipe onde meus dois sócios ainda são alunos e assim como os estagiários, estudar e trabalhar no mesmo local ajuda. A infra física tb é bastante relevante, apesar da nossa sala ser bem pequena (cerca de 12m2), temos a disposição sala de reunião e auditório.

Muita gente tem preguiça ou medo de fazer plano de negócios. É complicado? quais sao os principais passos do processo? quanto tempo levou e que tipo de conhecimento é necessário?

Se for para captar investimento, ter um plano de negócios embaixo do braço é essencial. O processo de elaboração de um PN é tão importante quanto o produto final. Um bom PN não é tão simples de fazer, mas não é impossível. Antes de começar a fazer o PN do descolando!, já vínhamos pensando sobre o negócio a cerca de uns 6 meses, isso facilitou a execução. Mas para ter uma idéia, estamos fechando agora uma segunda versão para conversarmos com mais investidores. O PN tem que estar sempre atualizado.

Entender do mercado é fundamental. E para escrever o PN é interessante seguir alguns modelos estabelecidos, pois assim, quando cair nas mãos de um investidor ele terá mais facilidade de analisar. Um investidor costuma analisar centenas de planos e descarta a maioria logo no cara.

Nós três nos conhecemos na empresa Junior da PUC e isso nos ajudou a conhecer esse mundo do empreendedorismo mais de perto.

Como voces pretendem que a empresa se torne lucrativa? com publicidade ou voces pretendem cobrar pelo serviço? em quanto tempo voces preveem que isso aconteça?

Conseguimos reunir um conjunto de serviços que nos permitem explorar diferentes modelos de receita, desde parcerias com empresas de RH para divulgação de oportunidades de estágio, integração do Microblog com mobile através de SMS e a exploração de publicidade, que nesse caso conseguimos chegar a um nível de segmentação por universidade, curso, região, etc. Algumas funcionalidades que ainda serão desenvolvidas nos permitirão explorar outros modelos de receita.

Nesse sentido, temos uma boa flexibilidade para não dependermos de uma única fonte apenas.

O tempo para as coisas acontecerem é relativo, pois depende de como as coisas vão caminhar, e a busca por investimento e parcerias se torna muito importante para que as coisas aconteçam.




Comments

torço pra que dê certo e deixo uma dica: cuidados com os apps. Eles se tornaram a coisa mais chata das redes sociais

Post new comment

The content of this field is kept private and will not be shown publicly.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Allowed HTML tags: <a> <em> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Lines and paragraphs break automatically.

More information about formatting options