O que vou fazer com este blog

Quero começar a especificar como pretendo usar este blog. Este não será um site para a análise e a divulgação de notícias relacionadas a colaboração online. Eventualmente isso acontecerá na coluna da esquerda, onde aparecem os links que vou salvando pelo del.icio.us. Mas na área central, quero abrir conversas sobre experiências vividas relacionadas a mídias sociais.

Pretendo sugerir os temas publicando-os no blog e tornar a discussão uma espécie de curso aberto, sem professor. Meio no esquema das academias da antiguidade, onde as pessoas se encontravam para conversar e compartilhar experiências e reflexões.

Finalmente, pretendo explorar o Twitter para disseminar os posts principais.




Utilização paralela de blog e rede social

Pretendo explorar o Twitter para disseminar os posts principais, não exatamente para dispersar uma informação, o que significaria apenas falar, mas criando uma dinâmica de circulação de informação que integra blog e microblogs.




Desentrevista, conversas abertas sem entrevistador

Uma maneira mais "muderna" de chamar a dinâmica de funcionamento neste blog pode ser "desentrevista", aproveitando a idéia de desconferência do BarCamp. No BarCamp os participantes propõem temas e se reúnem segundo convergência de interesses. Na "desentrevista" também não existe entrevistador e nem tema pré-definido. Os assuntos geram trocas que podem ser continuamente reprocessadas e aparecerem na forma de novos posts, cada vez mais incrementados.

Isso não tem diretamente a ver, mas está um pouco relacionado com um post recente sobre dinâmica de entrevista com jornalistas, usando a Web.




Quais assuntos pretendo abordar no blog

Quero atacar assuntos que repercutem na minha vida e na das pessoas que trabalham e atuam neste campo. A vantagem é que o conteúdo para essa discussão vem da experiência, da vivência de cada um, e não depende de se ficar o dia inteiro garimpando novidades. No ônibus, em casa assistindo televisão, numa mesa de bar - em qualquer desses lugares podemos refletir sobre assuntos que digam respeito a nossa condição, e compartilhar isso com outras pessoas.




Um blog profissional continua sendo um blog?

Acho que eu até gostaria de ficar o dia todo navegando pela rede em busca das novidades. De repente isso até aumentaria a visitação deste blog. Mas, como eu estava conversando com o Alexandre Matias, será que um blog profissional continua sendo um blog?




Para uma nova maneira de entrevistar

Por conta do livro, tenho dado algumas entrevistas. Os repórteres geralmente, por conta da pressa das redações, leram superficialmente algumas partes estratégicas do Conectado - a quarta-capa, a orelha, talvez até o prefácio e a introdução. Isso acaba produzindo perguntas mais ou menos previsíveis e repetitivas, que levam a respostas improvisadas e mais superficiais do que eu gostaria.

Ou invés disso, me ocorreu propor um encaminhamento diferente.




Trabalhar para quem e trabalhar para que?

Tenho observado dois tipos de impacto da internet na produtividade. Para alguns, a Web significa expansão da capacidade de registro e comunicação. Para outra porção, ela dispersa. Se você tiver paciência, quero saber a sua experiência. A Web está te tornando mais produtivo (até demais) ou você está com dificuldades para cumprir as suas obrigações?




A piada que faltou no debate de lançamento

Quem foi ao debate de lançamento do Conectado, se lembra das duas vezes que me deu branco. Eu tinha desencanado de ler o texto de abertura e me perdi. Primeiro fez-se um silêncio meio constrangedor, quebrado por comentários engraçados. Normal. Logo eu me encontrava e prosseguia. Mas meu querido amigo Gustavo Rocha deixou de fazer A Gozação Da Noite, que certamente teria arrancado aplausos e urras da platéia (pelo menos dos geeks), talvez não necessariamente por concordar, mas pela analogia sutil entre o que aconteceu comigo e aquilo que perturba a turma do Linux. Ele me contou depois que pensou em dizer, nos momentos que travei, o seguinte:

- Poizé, o Juliano está rodando Windows. Apareceu a tela azul!

Apesar de ter perdido o timing, ainda assim acho que vale a pena registrar.




Quem é o profissional da Web?

Esta semana combinei de visitar a Colméia para bater um papo com Kazi e Passamani, dois caras que definitivamente sacam de web e mídia online. Devemos gravar um papo em áudio e o Kazi me pediu um mote. Propus que a conversa seja sobre o profissional da internet. Kazi é formado em editoração. Passa é jornalista. Nenhum dos dois fez curso superior para desempenhar suas funções hoje. Nem eu.

Designer e programador são profissionais que podem aplicar seus conhecimentos para o desenvolvimento de sites. Mas quem é o profissional que atua exclusivamente na Web? Existe uma profissão nova sendo moldada? Quais são as áreas de conhecimento que poderiam ser combinadas para formar um profissional para atuar na internet? O Kazi falou de editoração, eu lembrei da biblioteconomia. Quem quiser dar pitacos aqui, vamos aquecendo a troca de idéias até a gravação que deve acontecer nasta quarta (12).




De cara nova

Se você já esteve aqui antes, deve ter notado que mudamos a decoração. ;-) Minha "presença virtual" agora conta com identidade desenvolvida a partir de um estudo de marca que ainda está em processo. O presente chegou semana passada, junto com o lançamento. Agradeço publicamente à equipe do Blaz, particularmente à Paula Pereira, designer, e ao André Avorio. Ele fizeram: identidade visual do NZ, aplicação da marca em website, layout e codificação do website.




Syndicate content