Case de voluntariado: grupo se reúne quinzenalmente para conversar com moradores de rua

Este post e o anterior fazem parte da ação Dia do Voluntariado.

Vou escrever sobre um grupo voluntário que se formou e atua de forma independente, sem estar vinculado a instituições.

Vou falar sobre eles não para promove-los para potenciais voluntários, mas para mostrar que não existe oportunidade ideal para atuar. Só depende de querer.

Esse grupo que vou integrar tem oito pessoas e surgiu a partir da amizade formada entre eles dentro do movimento espírita.

Eles atuam há quase cinco anos e de forma autônoma. Também não têm um líder: se falam e dividem entre si as responsabilidades pelo trabalho.

O objetivo do grupo é conversar amigavelmente com moradores de rua. E eles levam consigo um lanche para ter o pretexto para a aproximação.

Utilizam o livro Minutos de Sabedoria [download PDF], porque não tem vínculação religiosa. Para os que aceitam, eles lêem uma página à escolha deles e fazem juntos um pai Nosso.

Eles saem de 15 em 15 dias.

No inverno, entregam, além do lanche, cobertores, agasalhos e meias.

Em dezembro, habitualmente, eles passam algumas horas com os moradores de rua, na véspera de Natal, dia 24.

E fazem também um lanche diferente nessa data, caprichado com docinhos e coisas desse tipo.

Poderei contar mais quando tiver feito a primeira incursão junto com eles.

Comentários



Ser voluntário para reconhecer as bençãos da vida e viver melhor

Escrevi este texto e o seguinte para participar da blogagem coletiva do Dia do Voluntário.

Faz tempo que eu quero me oferecer para fazer um trabalho voluntário, mas sempre "falta tempo".

Fiz uma nova tentativa recentemente e estou esperançoso de que, finalmente, vá rolar.

Fala-se muito do papel de cada um na sociedade e de como nós, que temos um pouco mais, deveríamos dar um pouco mais também.

Mas esse não é o motivo que está me levando a procurar uma oportunidade de trabalho voluntário.

Tenho sentido que eu e a minha mulher estamos muito ensimesmados nos nossos planos.

Temos muitas metas, que envolvem esforços, sacrifícios, negociações, etc. E, consequência disso, apesar de termos muito, fica a impressão de estarmos cercados de dificuldades.

Meu interesse em trabalhar como voluntário é para, uma vez por semana ou quinzena, me afastar dos meus problemas e olhar para o de outras pessoas.

Para ver os meus problemas em perspectiva e talvez sofrer menos e reclamar menos da vida.

No post seguinte vou contar o que vou fazer.

Comentários



Por que você compra livros? (versão resumida)

A maior parte dos livros a gente só lê uma vez, quando lê. Daí a gente guarda porque, afinal, custaram caro.

Não consigo pensar em outro objeto com as mesmas características. Mesmo o supérfluo é utilizado continuamente até acabar ou ser passado adiante.

O livro não: a gente estoca e usa como uma espécie de decoração de paredes.

Um pequeno acervo privado ocupa espaço e é difícil de ser transportado porque pesa muito.

É uma matemática esquisita: o produto tem condições de ter uma vida útil, ser lido por muitas pessoas, mas fique recluso.

Pense, por exemplo, em todos os livros que os moradores do mesmo prédio poderiam juntar para fazer uma sala de leitura e isso não acontece.

Cada um quer ter o seu. E depois de servir para transmitir cultura, o livro se torna objeto de decoração de parede.

(Veja: não estou me referindo àqueles 30 livros do coração, mas os outros, menos importantes.)

Se a gente em geral lê o livro uma vez só e se ele pode ser reutilizado muitas vezes, deduz-se que seu "habitat natural" seja a biblioteca pública.

Essa reflexão me ocorreu depois de me matricular na biblioteca pública do meu bairro e de encontrar lá uma coleção muito boa.

O fato de ser um bairro de classe média talvez explique por que a coleção seja boa, mas não justifica que a comunidade aparentemente continue comprando livros em vez de aproveitar o equipamento público.

A ida à biblioteca me fez perceber o mercado de livros como algo induzido e não como algo necessário. A gente faz sem precisar porque acha que é vantajoso.

Daí, fui um passo adiante: se o livro é algo que funciona melhor como um item de circulação pública, por que restringir sua digitalização para ele ser "emprestado" pela rede?

Esse é o resumo da argumentação. Se você tiver tempo e quiser entender melhor o contexto que estimulou esta reflexão, pode ler o post anterior.

Comentários



Você já pensou em ficar sócio de uma biblioteca pública?

Bibliotecas, parte 1

Frequentei com uma certa assiduidade a biblioteca "infanto-juvenil" do nosso bairro, aqui em São Paulo, quando eu era meninote e cursava o fundamental 1.

Dava-se o nome de fazer "pesquisa" ao ato de reproduzir palavra a palavra determinados verbetes enciclopédicos, geralmente os mais longos.

A ida à biblioteca condenava à morte uma tarde perfeita assistindo desenhos na TV. No entorno, bibliotecárias de avental parecidas com as professoras da minha escola e um pouco também com guardas carcerários.

Não chegava a ser uma experiência traumática, mas a lembrança física que ficou é parecida com a experiência de ir ao dentista: um aborrecimento que não podia ser evitado.

Bibliotecas, parte 2

O fato é que no ano passado tive a oportunidade (na verdade, um presente do Céu) de parar de trabalhar para, durante um ano, "apenas" estudar.

Ficamos em Londres, mas, na prática, vivi entre as salas de aula e bibliotecas, a da própria universidade e a British Library.

Biblioteca, neste caso, é mais do que um arquivo público de livros. É o ambiente propício ao estudo: cadeiras, mesas e iluminação específicas para acomodar o corpo em certas posições durante horas e - luxo para quem é distraído - bastante silêncio.

Comecei a sentir saudades da Inglaterra antecipadamente, no dia frio de janeiro em que me inscrevi para usar a British Library: salas intermináveis, silêncio, acomodações confortáveis, internet grátis e 150 milhões de itens disponíveis para pesquisa.

Da biblioteca à livraria

Alguns anos depois de "ter alta" das idas compulsórias à biblioteca da minha infância, passei a frequentar voluntariamente a livraria do meu bairro. Mas diferente daquela, esta tinha pessoas simpáticas e livros que me interessavam.

Troquei a biblioteca pela livraria. A ponto de ter transformado a ida a livrarias em passeio. Difícil não levar alguma coisa para casa, mas, reconheço, a maior parte eu deixei para depois. Comprei por impulso e muitos acabaram entrando para uma fila grande e desordenada de coisas para ler "em algum momento".

Tenho muito mais livros do que eu posso ler e, pasme, continuo tendo o desejo de comprar. Mas voltei a São Paulo disposto a buscar um equilíbrio novo entre ganhar dinheiro e ter tempo e, nesse novo contrato, me ocorreu que poderia ficar sócio de uma biblioteca pública.

Por que eu não tinha pensado nisso antes? Será que eu não tinha tempo por estar no escritório nas horas que as bibliotecas abrem? Será que eu pensava que não encontraria livros que me interessariam? Suspeito que, no fundo, haja um certo orgulho de ter poder de compra.

Alceu Amoroso Lima

É um prédio meio arrojado, de concreto mas elegante, na esquina da Cardeal Arco Verde com Henrique Schaumann. Vi pela internet que precisava de comprovante de residência e RG para ficar sócio.

A especialidade deles é literatura, mas com a mesma inscrição eu posso retirar livros em qualquer outra biblioteca municipal. O acervo pode ser consultado por computador. Quem não puder ir no horário de funcionamento, pode ligar e o livro será reservado para ser retirado até as 19h.

Encontrei livros usados mas em bom estado. Livros da Cosac, da Cia das Letras, de outras boas editoras. Publicações recentes e também outros que, tendo perdido o valor comercial, geralmente as livrarias não têm.

Comprar para que?

A experiência de ser bem atendido e de encontrar livros atuais e em boas condições na biblioteca pública do bairro me fez repensar o sentido de ter criado e manter a minha modesta coleção privada.

Veja: o livro (enquanto livro) tem vida útil de, em média, um mês ou menos. Depois disso, a imensa maioria se converte em itens de decoração que ocupam espaço e são difíceis de transportar em quantidade.

Neste cenário, a gente parece optar pelo gasto e pelo compromisso de armazenamento futuro (apesar de sua provável inutilidade) à perspectiva de não ter o produto ou para evitar a inconveniência de procurá-lo por outros meios.

Mas, por estranho que isso possa soar, acho que, como eu, muitas pessoas nem consideram a possibilidade de frequentar a biblioteca. Mesmo sabendo que ela abre aos sábados e sem investigar a qualidade do acervo.

Necessidade induzida

Estou considerando a hipótese de que o consumo de livros nas condições que descrevi seja uma necessidade induzida e em grande parte dispensável.

Se no seu bairro a biblioteca tem um acervo interessante, se ela abre nos finais de semana, se você pode escolher o que quiser e levar para casa sem pagar e sem ter que armazenar eternamente, você está gastando à toa.

Sim, a livraria tem livros atuais, mas acho importante mencionar o esforço das editoras para alimentar essa imagem da atualidade. Eu já comprei muitos livros impulsivamente, seduzido por capas e recomendações.

Outros apareceram, perdi o prazo de devolução e eles entraram na lista do "um dia quem sabe".

"Emprestar" da rede

Não sei se as bibliotecas públicas do passado eram muito ruins ou se a gente cultiva a noção de que emprestar livros é coisa de quem não tem dinheiro para comprar.

O fato é que encontrei um acervo atualizado e bem-cuidado na biblioteca do meu bairro. É grátis ficar sócio e não tenho ansiedade de pegar ou não pegar um livro. Se não tiver na hora, tem outros. Se eu não gostar, devolvo.

Isso me faz pensar em fazer uma boa "rapa" no meu acervo pessoal e doar para a Amoroso Lima. Eles cuidam bem e meus livros servirão a outros.

E finalmente, isso me faz pensar também no livro digital. Se eu posso emprestar da biblioteca, por que não "emprestar" da rede?

Comentários



Assessorias de imprensa: será que elas lêem o que eu escrevo?

Faz tempo que quero escrever sobre assessorias de imprensa. Aprecio quem desempenha bem a tarefa importante de mediar a comunicação entre seus clientes e pessoas ou organizações.

Por exemplo: recebo e leio com atenção os releases com as novidades sobre o Facebook enviados pela CDN. Basta ler dois ou três posts deste blog para ver que o meu assunto desde sempre é "internet social". Apenas isso.

O problema com o serviço de algumas assessorias é a "margem de erro" temática. Considere, por exemplo, o último release que eu recebi: "HP inicia sua campanha de Natal com a segunda temporada do eNoel".

Não quero parecer ingrato, mas me dou ao direito de pensar alto: dá a impressão que quem enviou acha que tecnologia é tudo a mesma coisa.

Estão fingindo que se comunicam comigo e eu, fingindo também que não ligo. Porque quando isso acontece, sem (muita) dor na consciência, jogo a mensagem e o email da pessoa que o enviou para a pasta de spam.

Resultado: essas mensagens já não entrarão na minha caixa postal, nem quando o conteúdo for relevante. Eu perco, sim, a oportunidade futura de talvez ter uma notícia em primeira mão, mas em um ambiente saturado de informação, acho que os clientes das assessorias perdem mais.

Há ainda outro caso: de assessorias que escrevem antes pedindo informações sobre o blog.

Em geral, a pergunta recorrente é: quantas pessoas acessam o blog? Não vejo problema nisso, mas raramente sinto que a pessoa do outro lado se deu ao trabalho de ler o que eu escrevi.

Recebi esses dias uma mensagem de um assessor se apresentando e apresentando a assessoria. A mensagem é vaga, mas pedem a data do aniversário "dos editores" (só eu escrevo aqui) e se tenho filhos.

Fiquei pensando: o que eles farão no dia do meu aniversário? Me mandarão um brinde corporativo? E para que saber se eu tenho filhos? Será que há releases especiais para pais ou algo parecido?

Não, obrigado. Por favor, me mande releases relevantes. Eu não pedi para recebe-los, mas aprecio a atenção de quem se dá ao trabalho de fazer isso. Contanto que faça sentido.

Comentários



Arqueologia digital: como salvar 8 mil histórias do esquecimento?

Este é um caso de arqueologia digital. O Viva São Paulo é um projeto colaborativo lançado em 2003 pela Rádio Eldorado para os paulistanos contarem coletivamente as suas histórias. Note bem: ele não é uma coleção de histórias soltas, mas uma longa conversa da cidade com ela mesma.

Um dos meus prazeres favoritos quando eu administrava esse projeto era acompanhar a "fermentação" das discussões pelos comentários. Alguém contava uma história e aquilo ativava a memória dos outros participantes que se encontravam e discutiam o assunto na área de comentários.

Veja, por exemplo, o que aconteceu quando uma participante escreveu sobre sua experiência nos anos 1950 ferindo os costumes vigentes ao usar calças compridas para andar na rua. (Sim, meu caro padawan, há meio século isso representava uma grande ousadia.)

Como qualquer coisa "viva", o Viva também envelheceu. Ele, que funciona com um gestor de conteúdo feito sob encomenda, se tornou uma espécie de calhambeque comparado aos modelos saídos de fábrica usados hoje como Tumblr, WordPress e Drupal.

Envelhecer, neste caso, trouxe novas ameaças para o corpo mais frágil do VivaSP. O pior problema para ele foi a falta de um mecanismo para filtrar comentários que é útil em um mundo com muito mais pessoas acessando a Internet. Nos últimos anos, temos sofrido uma infestação de "haters" (são poucos, mas com muito ódio para queimar) que entram no site para provocar e chamar atenção e isso foi gradativamente sufocando o projeto.

Ele, que sobreviveu à falta de dinheiro se tornando uma espécie de comuna administrada pelos próprios usuários, agora está virando ruina. Os mais ferrenhos "moradores" estão se despedindo dele. Como falou a Wilma, a nossa querida Miss Barata e uma das "mães" do projeto hoje, "se é para que os loucos se divirtam às custas do que foi tão belo, penso que o melhor é parar de pagar [a hospedagem]".

O problema se resume ao seguinte: se eu desligar o site, o conjunto das histórias vai se perder. Os autores têm suas cópias, alguns textos estão publicados em outros lugares, mas a conversa que aconteceu nos comentários e que fomentou a redação das histórias vai desaparecer.

Este texto é para lançar um S.O.S. para a sociedade, para ver se encontramos soluções para esse dilema. Este texto também registra uma reflexão sobre a fragilidade do digital. A mesma facilidade que o arquivo tem para ser copiado e disseminado ele também tem para ser apagado e esquecido.

O site tem 8 mil histórias publicadas espontaneamente desde 2003 e uma quantidade muito maior de comentários.

Quem puder ajudar, estará tratando bem um grupo muito fiel e animado de contadores de história. Também estará juntando a própria história à de um projeto que seviu e serve para pessoas comuns discutirem e pensarem a cidade de São Paulo. (São pessoas comuns que também são excepcionais porque acumulam uma vivência de décadas acompanhando e participando de suas transformações e uma disposição para se manifestar a respeito.)

Para os apoios institucionais, temos espaços publicitários para expor a nossa gratidão.

O que pode nos ajudar:

1) Um serviço de migração que transporte histórias e comentários do site atual para um "motor" novo como o WordPress ou semelhante; assim poderemos incorporar a moderação de comentários para desincentivar as abutragens dos haters.

2) O patrocínio da hospedagem que consome em torno de R$ 40 por mês no plano atual que temos;

3) Para conter o avanço do problema, já seria muito útil que uma pessoa que entenda PHP possa tirar do ar o mecanismo de publicação de novos comentários;

Outras ideias também serão muito bem-vindas.

Comentários



História oral de vida: a técnica que eu aprendi com o professor Sebe nos anos 1990

um amigo me pediu para contar para ele sobre a técnica usada nos projetos de historia oral que eu participei junto com o professor José Carlos Sebe no departamento de historia da USP no começo dos anos 1990. Como isso pode interessar outras pessoas, compartilho-o a seguir. Quem tiver mais interesse no assunto pode ler o Guia Prático de História Oral.

eu nao participei de projetos de temática. a diferença é que as entrevistas tinham uma pauta / questionário sobre o assunto pesquisado. em projeto de HO de vida, as entrevistas nao tem roteiro definido. o entrevistado sabe o assunto do projeto e, ao longo da conversa, ele encaminha a sua narrativa nessa direçao. por exemplo, no livro sobre os kaiowaa, o assunto era o suicido dos adolescentes kaiowaa. os entrevistados sabiam disso e a entrevista seguia naturalmente para esse tema. a questão inicial feita ao entrevistado pede para a pessoa falar sobre suas primeiras lembranças, como era a casa em que vivia, etc. a partir daí, o entrevistados apenas ecoa aquilo que vai ouvindo.

ao longo da entrevista, o entrevistado menciona pessoas que tambem estao de alguma forma relacionadas ao assunto da pesquisa. essas pessoas vao constituindo a rede de informantes. essa é a rede de pessoas entrevistadas. se voce olhar o livro dos kaiowaa, vai ver que cada capitulo traz a historia de uma pessoa. esse grupo de entrevistados é o que estou chamando de rede.

outro ponto importante da técnica é a interferencia do pesquisador no trabalho. vou falar disso listando cada ponto:

1) o objetivo do entrevistador nao é revelar o que o entrevistado nao quer falar. nesse sentido, o processo é muito diferente do da entrevista jornalistica. o que o historiador quer é ter a versao da pessoa que conta, da maneira que essa pessoa quer que sua historia seja contada. voce nao confronta o entrevistado e nao tenta fazer com que ele fale alguma coisa que possa estar escondendo. tanto isso é importante que nada é publicado da entrevista da pessoa antes de ela ter lido (ou alguem lido a entrevista final para ela) e ela ter concordado. ela concorda oficialmente assinando um documento ou com uma gravaçao dela falando estar de acordo.

2) o historiador tem liberdade para interferir no texto. o processamento das entrevistas acontece em tres etapas: transcrição, textualizacao e transcriaçao. textualizacao é o trabalho de arrumar otexto: colocar as partes da historia contada em ordem, completar as frases deixadas pela metade, corrigir os problemas de linguagem. depois que isso está pronto, vem a transcriaçao, que é o momento em que o historiador acrescenta o que nao foi falado, mas foi dito no contexto da conversa e que ficou implicito. é um trabalho subjetivo, mas que é nao é ficçao porque a entrevista trabalhada deve ser aprovada pelo entrevistado antes de ser publicada.

3) o resultado do trabalho de historia oral permite que o leitor conheça o assunto que está sendo pesquisado pelo ponto de vista das diversas pessoas que constituiram a rede de informantes. as contradicoes aparecerao no confronto das historias.

4) a participacao do historiador no livro se encerra com a producao dos textos de abertura e encerramento. ele situa o leitor em relacao às motivacoes para fazer a pesquisa e tambem conta a historia da pesquisa - os problemas que enfrentou, as duvidas e como ele as resolveu.

Comentários



Netflix para livros: a maior biblioteca do mundo no seu tablet

Fiquei me perguntando hoje porque a indústria do livro não abraçou um modelo de distribuição semelhante ao da Netflix. Curiosamente, a Mashable informou no mês passado que a Amazon está trabalhando nesse projeto. O assinante paga um valor definido por mês e tem acesso a todo o acervo do catálogo. Pode ler o que quiser, quando quiser, sem pagar mais por isso. Este post apresenta algumas vantagens desta solução.

No caso da TV, a gente paga para assistir 100% do conteúdo de canais a cabo, mas, na prática, fica subordinado ao que é transmitido em determinados horários. Uma alternativa é se dar ao trabalho de encontrar cópias de boa qualidade do conteúdo que se quer ver e baixar esse material. Há um preço nisso: o trabalho de procurar, a frustração por descobrir que o arquivo é ruim e se expor a infestar a máquina com cookies e virus.

A Netflix considerou que a internet traz oportunidades de economia. Eles podem concorrer com locadoras sem precisar se preocupar com os custos relacionados à produçao, transporte e armazenamento da mídia física. Isso significa que, por R$ 15, o assinante nao precisa sair de casa e pode assistir quantos filmes ou séries quiser sem sair de casa.

Não se trata apenas da empresa economizar dinheiro usando a rede, mas de outro cálculo que o consumidor faz. Quantas vezes voce já se arrependeu de ter pago para assistir um filme no cinema ou ter comprado um livro ou um disco?

Há dois tipos de conteúdo: o que se quer provar e o que se quer ter. Já li relatos de casos indicando o efeito benéfico da distribuição livre para a comercialização de certos produtos. É que quem prova e gosta quer ter. Quem gosta muito de um filme que baixou quer ter a melhor versão e também prestigiar os responsáveis por disponibilizar o conteúdo.

Fico me perguntando como isso pode fazer sentido para livros. Eu pagaria R$ 15 por mês para baixar e ler os livros que quisesse. Qualquer um! É uma mudança de perspectiva. Vou poder experimentar livremente e sem ter a obrigaçao de ficar com alguma coisa.

Sim, porque ficar não é sempre a melhor solução. Ficar com alguma coisa implica em mante-la em um lugar (de preferencia, acessível): uma estante, uma pasta em disco rígido, etc. Quantos livros da sua estante você não devolveria para o livreiro para ter mais espaço se soubesse que poderia acessar essa cópia a qualquer momento?

A possibilidade de acessar qualquer produto, no caso do livro, aponta para uma outra vantagem: ela dá sentido ao livro impresso. O impresso é aquilo que a gente gosta tanto que quer ter fisicamente, quer pegar, fazer anotações, etc. O resto nao precisa ser impresso.

Esse ambiente novo traz consigo um catálogo muito maior do que o disponível hoje pelas editoras. A gente sabe da quantidade de livros que não é reimpresso porque nao tem demanda e que novos leitores nao tem acesso porque o prazo do direito autoral ainda nao expirou. Se eu pago por qualquer arquivo, se a editora recebe um valor proporcional ao número de livros baixados, faz sentido que a editora queira disponibilizar a versão digital dos livros que estão fora de catálogo. Isso torna o ambiente de leitura mais interessante em função da diversidade de conteúdo.

Comentários



O potencial do uso de ideogramas para a comunicação por aparelhos portáteis

Sabe essa experiência de olhar como alguma coisa era feita no passado e achar aquilo um desperdício de tempo? Exemplo disso: escrever com máquina de escrever e não poder mexer no texto que se está produzindo na hora em que se está fazendo.

Hoje eu tive a sensação de que daqui a uns 20 anos a gente vai sentir isso em relação a escrever mensagens de texto em celular. É um tipo de ação que deveria ser quase instantânea e, no entanto, paramos de fazer tudo para, com a ponta dos dedos, ir construindo frases letra a letra até completar o texto.

Entendo que a gente vai ganhando experiência e esse tempo diminui, mas tenho a impressão que, para esse tipo de equipamento e para o timing da comunicação, a escrita por ideograma pode ser mais eficiente do que o alfabeto.

Não existe uma solução ideal para a comunicação. Para o telégrafo (e para o computador), o melhor é o código binário. Para grupos de pessoas fisicamente próximas, a fala e os gestos entregam a informação com maior densidade. Não sinto que o alfabeto seja o mais interessante em se tratando do uso de um aparelho pequeno que é acionado pelos dedos.

Quando a gente para o que está fazendo para escrever, nos desligamos da experiência que motivou a criação da mensagem. Por exemplo: se você está assistindo ou participando de um evento (palestra, jogo de futebol, etc.), a sua concentração muda de foco por alguns segundos enquanto está tuitando.

A gente sintetiza a escrita de palavras justamente para reduzir esse gap de atencão. É mais rápido escrever "kd vc" do que "cadê você" com todas as letras e acentos. Paralelamente a isso, já se recorre a símbolos na comunicação online. O emoticon é isso: uma imagem que condensa ideias. Tipo: \o/ ou :-) Mas sinto que a comunicação por ideogramas ainda não foi explorada como merece e que há uma oportunidade à espera de quem pensar primeiro em uma nova geração de serviço para comunicação de grupos (tipo Twitter, Facebook) por equipamentos móveis que ampliem as possibilidades de misturar símbolos e texto.

Eu não sei muito sobre linguística, mas fico pensando na escrita japonesa como exemplo. Eles usam três conjuntos de sinais para escrever: um de ideogramas e os outros de fonemas que servem para se grafar aquilo que não cabe facilmente em sinais. Penso, inclusive, no impacto que usar uma solução parecida, a partir do desenvolvimento gradual de um vocabulário de símbolos, para a comunicação global.

Com a adoção de mais símbolos, mais pessoas poderão se entender ou terão mais condições para se entender. (Você não precisa saber alemão para entender \o/.) Ao mesmo tempo, esse movimento poderá amplificar o processo de tribalização das sociedades: grupos de pessoas espalhadas pelo mundo criando línguas próprias que funcionariam em paralelo às suas línguas de origem.

Acho que o processo começa por estudar o que já existe de símbolos sendo usados hoje para atender a essa demanda específica de comunicação instantânea por dispositivos móveis.

Comentários



E se tratarmos livros como softwares e eles evoluirem com o tempo?

Editoras precisam lançar livros novos para gerar receita. Uma vantagem do livro recém lançado é que pouca gente leu, então, se a capa for caprichada e a resenha aparecer nos veículos certos, a venda acontece. Daí o consumidor chega em casa e percebe que o título não é aquilo que esperava, mas daí é tarde. Nem todos conseguem voltar para trocar.

E os ótimos livros que saem de catálogo porque a demanda baixa não justifica a reimpressão? Se eles não estão vendendo tanto, por que não disponibilizá-los bem baratinho online? Isso não está dando certo com a música/vídeo via iTune/Netflix e similares? O problema é que disponibilizar o conteúdo fora de catálogo pode saciar o desejo do leitor e reduzir os gastos com as novidades.

Parece que há um grande silêncio no mercado editorial em relação a esse assunto. As editoras querem continuar vendendo papel impresso apesar das inúmeras vantagens e facilidades do formato digital, para si e para o consumidor, e o consumidor vai descobrindo o crescente mercado de livros compartilhados ilegalmente online.

E fico me perguntando se não podemos pensar no livro da mesma forma como pensamos o software. A gente não compra o pacote inteiro do Windows quando uma nova versão sai, a gente atualiza o programa, e quando isso não é de graça, custa apenas uma fração do preço integral.

Livros também são sequências de código. A editora pode começar a pensar nele como tal. O custo de impressão e distribuição hoje não existem. Por que não concentrar recursos na curadoria para oferecer um produto sensacional?

Por que esse produto não pode ser vendido bem baratinho ou de graça, como os apps para IPhone ou IPad, e terem modelos alternativos de rentabilização? Sim, o preço é um dólar, mas sim, você não paga nada para copiar ou distribuir, e se é barado, é mais fácil comprar do que procurar no "black".

Pense em uma editora que lança livros em formato de apps. Os livros continuam sendo aperfeiçoados porque cada vez que ele melhora, mais pessoas querem comprar e também se fideliza quem já comprou. O sucesso do livro conduz ao desenvolvimento e isso traz novas vendas.

O livro não precisa ser do tamanho que tem hoje. Pode ser adaptado à falta de tempo. Pode ser mais compacto e distribuído em mais capítulos.

Se for ficção, seções da história podem ser modificadas ou acrescentadas. O bacana passa a ser acompanhar esse processo produtivo. Se for não-ficção, a conteúdo pode ser expandido, aprofundado, aperfeiçoado a partir do que o leitor demonstrar ter interesse.

O livro não precisa acabar. Antes ele acabava porque custava muito dinheiro imprimir e distribuir. Era melhor ou mais garantido fazer outro.

Pense em um autor que voce gosta muito. No meu caso, é o Rubem Braga. É claro que eu compraria o livro do R.B. para ter o prazer de ver o livro vivo, em movimento; me surpreender com descobertas de como ele desdobrou uma cronica ou uma parte da cronica que tenha sido particularmente popular. Eu pagaria, sim, para estar mais perto do autor que eu admiro.

O autor é um programador também, mas o código dele é a cultura e ele programa a maneira como a gente percebe e entende o mundo. Como isso se apresenta não obedece a fórmulas. A fórmula traduz o momento em que ela foi adotada.

Hoje, a versão atualizada de um livro é algo que acontece raramente. O livro precisa ser um sucesso para ganhar uma "versão atualizada e expandida". Agora, em vez de gastar com o papel e tinta e distribuiçao e promoçao, por que nao pagar o autor? Afinal é ele a parte essencial do produto.

Antigamente, também, a comunicação do público com o autor e do público com o público acontecia dentro do espaço escasso das seções de cartas dos leitores nos jornais. Hoje é só abrir um fórum de discussão e, se o livro for incrível, o espaço vai se encher com gente falando a respeito dele. Monitores podem ajudar a processar a conversa para retirar dessa participaçao o filé que poderá retro-alimentar o autor para ele, sabendo como está sendo lido, desenvolver a obra.

Escrevo isso e eu mesmo me censuro pensando: "É absurdo, livro não funciona assim, tem que acabar na última página." Quem disse? As coisas se reinventam. Existe o modelo atual e o que ainda não foi inventado e que a grande promessa que ninguém ainda tenha ousado fazer.

Um dos maiores motivadores na hora de se comprar um livro é conhecer o autor. Ter gostado de um livro anterior reduz a perspectiva de se desapontar. Então, por que não reinventar o livro fazendo com que ele possa ser reescrito e republicado tantas vezes quanto ele seja capaz de encantar os leitores.

E isso nao vale apenas para o livro cujo autor é vivo. Fico imaginando a delícia de poder me interagir com outros adoradores do R.B. e da possibilidade de reler os textos dele dessa maneira. A editora pode ter um "curador" que se encarregue de fazer os updates no "código". Não estou sugerindo que ele reescreva os originais, mas a criaçao de conteúdos novos junto com o original.

É isso: eu curtiria a ideia de pagar R$ 1,00 por um livro e ter experiencias como essa.

Comentários



Syndicate content