Warning: Table './db186965_naozero/watchdog' is marked as crashed and should be repaired query: INSERT INTO watchdog (uid, type, message, variables, severity, link, location, referer, hostname, timestamp) VALUES (0, 'php', '%message in %file on line %line.', 'a:4:{s:6:\"%error\";s:7:\"warning\";s:8:\"%message\";s:40:\"Creating default object from empty value\";s:5:\"%file\";s:93:\"/nfs/c06/h05/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc\";s:5:\"%line\";i:33;}', 3, '', 'http://naozero.com.br/taxonomy/term/18', '', '54.92.197.82', 1519185029) in /nfs/c06/h05/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/includes/database.mysql.inc on line 135
off topic | Não Zero

off topic

warning: Creating default object from empty value in /nfs/c06/h05/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc on line 33.

Meus desejos pessoais para o ano que está chegando

Este ano, a vida me presenteou trazendo para perto pessoas muito melhores do que eu. Espero poder continuar convivendo e aprendendo com elas em 2009.

Junto com essas pessoas, vivi algumas experiências maravilhosas quase sempre de raspão, como reflexos do que está além do véu do presente. Existem várias palavras para descrever o que tem dentro dessas experiências, mas "generosidade" sintetiza o sentimento.

Espero também em 2009 conseguir ser um pouco mais espontâneo e relaxado e, num exercício de desprendimento, perceber que os movimentos da vida estão além da minha compreensão e que a maioria das minhas preocupações refletem o meu mundo interior.

Em 2009, pretendo me esforçar para substituir o tempo gasto em tramas e desconfianças pela contemplação e cultivo de laços afetivos.

Adoraria reconquistar o prazer de ficar quieto e sentir o mundo. Se eu não chegar a tanto, quero pelo menos aprender a dizer as coisas que me incomodam sem eu ser tão contaminado pelo incômodo.

Espero, enfim, em 2009, ser mais paciente e tolerante, menos vaidoso e orgulhoso, e oferecer um pouco mais sem esperar retorno.




Afastar quem quer e pode fazer a diferença é um crime contra a sociedade

Conheço do Daniel Cohenca e a família dele há bem mais de dez anos. Ele é amigo de infância de um amigo mútuo que nos apresentou na época que fizemos a graduação na USP.

O Dani se mudou com a família para uma vila no Pará chamada Alter do Chão porque ele e a mulher são biólogos e por buscarem um estilo de vida diferente do que se tem nas cidades.

Não lembro se ele já foi para trabalhar como guarda florestal ou se a oportunidade apareceu depois da viagem. O fato é que talvez existam poucas pessoas preparadas como ele para fazer esse trabalho.

Ele reúne o sentimento de dever de preservar a floresta com a formação acadêmica para sustentar esse dever.

Acho que se a internet tem alguma virtude, algum propósito, é o de permitir que a opinião da gente circule para além dos nossos pequenos círculos de conhecidos.

Por isso estou publicando este testemunho, para dizer que eu conheço o Daniel, acompanho de longe a atuação dele, e que não faz sentido ele ser exonerado por denúncias de "corrupção".

Não sei se a história abaixo é verdadeira, não sei se ele ou a família estão correndo algum perigo e não quero julgar apressadamente a situação, mas considero ser um crime contra a sociedade quando afastam do cargo justamente quem quer e pode fazer a diferença.

Vou escrever para o Daniel e assim que receber alguma resposta, compartilho.




Fuerza Bruta é legal, mas Noé Noé é imperdível

Fui à última apresentação do espetáculo Fuerza Bruta, no Parque Villa Lobos, em São Paulo.

Mistura de rave e performance, visualmente surpreendente, mas comportado, não mudou a minha vida. Senti falta de provocação, de ficar mobilizado sem saber direito o motivo.

Com todo o respeito a quem gostou, achei o Furza Bruta um espetáculo circense-pirotécnico para adolescentes. (Quem mais se diverte, tenho certeza, são os artistas. Recebem para brincar, dar piruetas pelas paredes, escorregar em piscinas transparentes, atravessar superfícies como super heróis. Mas nem dança propriamente tem na performance.)

Contraste com o Noé Noé, que fui ver no final de semana passado, me deixou babando e com o desejo de rever outras vezes.

Noé Noé me lembrou um pouco o Asdrúbal Trouxe o Trombone, pela mistura de influências e técnicas como pela proposta de construção "orgânica" do espetáculo, com coreógrafos, roteiristas e artistas participando da criação.

Artistas circenses, atores, bailarinos e até uma cantora lírica e uma bailarina de dança indiana tradicional compartilham o palco.

O roteiro consegue a proeza de ser denso, sugestivo e alegre. Não é aquela viagem hermética, nem apela para soluções fáceis.

Noé Noé é um espetáculo onírico, é como sonhar de olhos abertos, e está melhor agora, que já passou a estréia, o nervosismo, e a convivência deixou os artistas mais a vontade entre eles e com o público.

Não perca. Inclusive porque, em função do tamanho da montagem, é improvável que o espetáculo vá para outras cidades. E a temporada termina no fim do mês.




Tropa de Elite chega aos cinemas e já têm três sequências no mercado informal

Os marreteiros vivem no futuro.

Ontem, passando pelo camelódromo da Avenida Paulista, ali próximo à alameda Pamplona, na frente do Stand Center, parei em uma das muitas barracas que vendem DVD pirata para checar os lançamentos.

E encontrei uma coisa estranha: estão vendendo quatro filmes diferentes de Tropa de Elite, como se além do primeiro, houvesse três sequências. (O filme também circula livremente pela Web em formato torrent.)

Os vendedores não sabiam explicar direito. Disseram que um deles era documentário.

Como o que vazou para a rede foi uma versão diferente da que chegou este fim de semana aos cinemas, fiquei pensando que poderiam estar circulando o mesmo filme com edições diferentes - um prato cheio para cinéfilos.

Alguém comprou esse material ou saberia dizer o que esses quatro DVDs contém?




Eventos recomendados de 6 a 13 de outubro

Acabei de fazer para o Leia Livro uma seleção de atividades e eventos culturais que acontecerão em SP e Rio, de 6 a 13 de outubro. O critério de escolha é personalíssimo. Vou separando nas agendas aquilo que eu iria ou recomendaria a um amigo.




Mais ou menos 500 pessoas

É um mundo pequeno. Você nem tem que viver muito para aprender uma coisa dessas sem que ninguém lhe ensine. Existe uma teoria sobre como no mundo inteiro só existem 500 pessoas reais (o elenco, por assim dizer; todas as outras pessoas do mundo, diz a teoria, são figurantes) e todas se conhecem. Na realidade, o mundo contém milhares e milhares de grupos de mais ou menos 500 pessoas que passarão a vida se encontrando, se evitando, se esbarrando numa improvável casa de chá de Vancouver. O processo é inevitável. Não é sequer coincidência. É apenas uma maneira como o mundo funciona, sem consideração pelos indivíduos ou pela adequação.

Li esse parágrafo hoje, quase no final do livro Os filhos de Anansi, de Neil Gainman. E no trabalho passei várias horas do dia "filtrando" a minha agenda de contatos, que venho acumulando há uns dez anos... Não sei exatamente quando essa lista começou a ser formada, foi junto com a minha conta de email no Yahoo. Fui exportando o arquivo com emails dos contatos de um computador para outro, de uma conta de email para outra, e mais ou menos automaticamente esse arquivo foi registrando o histórico das minhas interlocuções nesse período. Graças principalmente ao Thunderbird, cada vez que eu recebi e respondi um email nos últimos anos, o endereço dos destinatários ficou gravado na cada vez maior lista de contatos.




Syndicate content