Warning: Table './db186965_naozero/watchdog' is marked as crashed and should be repaired query: INSERT INTO watchdog (uid, type, message, variables, severity, link, location, referer, hostname, timestamp) VALUES (0, 'php', '%message in %file on line %line.', 'a:4:{s:6:\"%error\";s:7:\"warning\";s:8:\"%message\";s:40:\"Creating default object from empty value\";s:5:\"%file\";s:93:\"/nfs/c06/h05/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc\";s:5:\"%line\";i:33;}', 3, '', 'http://naozero.com.br/taxonomy/term/24', '', '54.167.216.239', 1527286881) in /nfs/c06/h05/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/includes/database.mysql.inc on line 135
network social | Não Zero

network social

warning: Creating default object from empty value in /nfs/c06/h05/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc on line 33.

Letrista do Greatful Dead pode ter disseminado o Orkut no BR

Muita gente se pergunta por que o Orkut fez tanto sucesso no Brasil. Até o NYTimes investigou o assunto sem chegar a uma conclusão. Existem muitos motivos para essa rede de relacionamentos ter explodido aqui, mas existe uma grande possibilidade de que a sementinha tenha vindo de John Barlow, ativista digital e letrista da banda Greatful Dead. (Neste vídeo ele revela sua história.)

Barlow foi um das primeiras cem pessoas a receber cem convites para o Orkut e, a título de experimento e por acreditar na força das redes no Brasil, resolveu enviar todos os cem para conhecidos dele aqui.




Do email ao blog: comunicação no atacado e no varejo

Completando o que eu estava escrevendo no post anterior. Estou esperando o momento em que vamos reduzir as conversas no varejo (via email pessoal) e aumentar as no atacado (pelo blog).

Não me entendam mal. Não acho que a gente deva só falar com as audiências. Não tem a ver com se afastar dos relacionamentos pessoais. Me refiro ao fato de que muitas mensagens individuais poderiam aparecer em uma plataforma aberta e dessa maneira incitar o prolongamento da conversa (inclusive sem a presença dos "donos" da conversa, por exemplo, nas áreas de comentário e em outras plataformas.)

Em algum momento é possível que o blog se torne o veículo principal, o espaço onde falamos dos assuntos abertos. E deixamos o email para o que for confidencial, privado ou irrelevante para o coletivo.

Alguém tem pensado sobre isso?




Mais uma tentativa para acompanhar o conteúdo dos blogs

Faz tempo que eu não consigo administrar o fluxo de emails na minha caixa postal. Direcionei (quase) tudo para o mesmo lugar, o Gmail. Ainda assim, as mensagens vão se acumulando. Coisas que eu ainda quero encaminhar em algum momento vão desaparecendo no fundo do pote.

Se eu não consigo ler e processar os emails que chegam, o que dizer de acompanhar posts de blogs? Mas finalmente tomei uma atitude proativa e assinei o feed da maioria - alguns não ofereciam esse serviço. E como direcionei todas as mensagens para o Google Reader, estou com esperanças de tratar esse fluxo de informação como se fosse um tipo de email, aqueles que a gente manda para uma porção de pessoas.




Memórias & reflexões sobre o BlogCamp

Este final de semana foi de BlogCamp, a desconferência que serve para a gente trocar idéias presencialmente e também expandir a rede de relacionamento. É sempre bom deixar de ser ilha ocasionamente e estar cercado por pessoas que têm percepções parecidas em relação aos desafios e oportunidades dessa nova infraestrutura de comunicação. Na correria para deixar a experiência registrada, vou colocar uma série de observações a seguir, em um mesmo post, que poderiam e talvez devessem aparecer em posts menores. Pelo menos a informação começa a circular.




O que muda nos espaços públicos online - uma palestra para avestruzes

Tive o privilégio de assistir hoje uma palestra com danah boyd. Graças à internet - aqui. Quem não quiser gastar uns 45 minutos, pode ler o resumo que eu fiz em português, da apresentação dessa especialista em sites de network social em uma universidade australiana.

Devo esclarecer aos leitores que este texto, na verdade, é um remix elaborado de acordo com as minhas limitações de tempo e de memória, e também a partir da minha filtragem determinada pelos assuntos que me chamam mais a atenção. Se alguém quiser ajudar apontando erros de digitação ou redação, é só usar a área de comentários.




É difícil definir quem é amigo em sites de network social

Se ao invés de um livro eu pudesse levar apenas um blog para servir de companhia em uma ilha profissional, haveria uma grande possibilidade de que o meu escolhido fosse o apophenia, da especialista em sites de network social dana boyd. Ela está ao mesmo tempo dentro da academia e imersa na tecnologia como usuária das coisas novas e relevantes que aparecem.

Esses dias ela publicou um post refletindo sobre as dificuldades dela classificar quem são seus "amigos" em sites de network social - como MySpace, Facebook, Twitter, aqui no Brasil o nosso Orkut. Segue uma seleção das passagens que eu considerei mais interessantes, acompanhadas ocasionalmente de comentários.




Syndicate content