Warning: Table './db186965_naozero/watchdog' is marked as crashed and should be repaired query: INSERT INTO watchdog (uid, type, message, variables, severity, link, location, referer, hostname, timestamp) VALUES (0, 'php', '%message in %file on line %line.', 'a:4:{s:6:\"%error\";s:7:\"warning\";s:8:\"%message\";s:40:\"Creating default object from empty value\";s:5:\"%file\";s:93:\"/nfs/c06/h04/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc\";s:5:\"%line\";i:33;}', 3, '', 'http://naozero.com.br/taxonomy/term/546', '', '54.158.21.176', 1506035705) in /nfs/c06/h04/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/includes/database.mysql.inc on line 135
inglaterra | Não Zero

inglaterra

warning: Creating default object from empty value in /nfs/c06/h04/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc on line 33.

Uma camera na cabeça e uma ideia na mão - é o espírito do concurso da @inter_gen

Adoro coisas com "a cara da internet". Coisas que aparecem feitas sob medida para acomodar como a gente tem inventado jeitos de ser e se expressar pela internet.

Esse concurso, por exemplo http://www.if.org.uk/filmcompetition, realizado pela Intergenerational Foundation (IF) e promovido pelo respeitado jornal inglês The Guardian.

Feito para pessoas entre 16 e 30 anos. O participante é convidado a gravar uma história. Qualquer história com até 3 minutos.

O que é tão brilhante em relação a isso:

1) Não distingue entre "video makers" e "nao video makers"; é para qualquer pessoa, considerando que a realizaçao pode ser simples, mas o conteúdo ser especial - e muitos serão.

2) tem um elemento de registro pessoal como o I Thought My Father Was God, que inspirou a criaçao do Viva São Paulo. A ideia de mostrar a beleza muitas vezes singela (outras nem um pouco) da vida comum.

3) o fato de que o resultado estará em um meio do caminho interessante entre exploraçao artistica (roteiro, realizaçao) e documento social; quantas possibilidades de a sociedade se reconhecer e conversar a partir das vozes que circularam via o concurso.

4) o fato de demandar apenas a mais simples infraestrutura de produçao que é uma camera de video (até de um celular) e um editor de imagens (tem grátis no YouTube).

5) esse projeto expressar esse potencial de retorno à oralidade que deu origem ao meu Naum Eh Tv. Neste caso a gente quase cai na tentaçao de dizer que "mais simples que isso seria fazer um concurso de redaçao" e de algum modo este é isso, mas tenho a sensaçao que aprender a escrever é mais difícil que aprender a fazer um vídeo nessas condiçoes.

Adoraria ver coisas assim acontecendo no Brasil, lugar tao receptivo ao video (6o maior mercado do YouTube) e que atravessa um momento de tantas mudanças. Será que alguma organizaçao forte no Brasil teria as manhas de dar um empurraozinho?

Comentários



O seminário inglês - a esgrima intelectual e seu propósito

Imagine uma luta de faixas-preta de Karatê.

Os lutadores se conhecem e, mesmo não sendo exatamente aquilo que a gente costuma chamar de "amigos", se respeitam.

O programa inclui uma hora de apresentação do paper. Ao redor, estão estudantes de vários níveis (ou faixas) e também vários faixa preta (professores).

Um lutador do mesmo ranking assume o posto de mestre de cerimônias. Ele anuncia os grandiosos feitos do guerreiro, mas a pompa aristocrática inclui pitadas de sarcasmo inteligente quase invisíveis aos não iniciados como eu.

A apresentação inicial é uma espécie de katá em que o lutador exibe sua perícia intelectual aplicada ao trabalho científico. Ele mostra o que fez, por que fez, como fez e as conclusões a que chegou. Terminada essa etapa, o apresentador costuma fazer a primeira pergunta e depois passar a palavra.

Daí o tempo fecha e é pancadaria (intelectual) para surpreender e voltar a surpreender quem, como eu, se acostumou com a cortesia da academia brasileira.

A intensidade desses espetáculos de esgrima acadadêmica dão a impressão que o limiar do aceitável no convívio civilizado será ultrapassado a qualquer instante e se transformar em agressão física- mas em um ano, eu nunca vi isso acontecer.

A tradição do seminário inglês

Alfred Gell foi uma das grandes promessas da atual geração da antropologia inglesa - junto com Tim Ingold -, mas morreu vítima de câncer precocemente. Porque me encantei com o texto dele sobre O Encanto da Tecnologia (e a Tecnologia do Encanto), li o texto introdutório dessa coletânea póstuma e lá ele fala sobre a tradição do seminário na Inglaterra.

Diferente da academia americana, que parece fazer o debate de forma mais esterelizada no espaço abstrato da publicação, os ingleses produzem suas pesquisas pensando que seu destino será apresentá-las (aos leões) nos seminários. A publicação em revistas acadêmicas, diz Gell, é apenas um subproduto desse processo.

Aprendendo a se defender

Apesar de me assustar com a intensidade dos embates, também admiro o fato de existir ali uma espécie de preparação para a guerra, bem no estilo do que acontece nas academias de luta. O lutador é honrado não por ser poupado, mas por ter que sobreviver ao ser testado.

O espaço do confronto é vivo - e carregado de emoções, apesar da quase imobilidade dos participantes. Existe um aqui e um agora nesses eventos que aparentemente fazem com que a disputa se torne mais real.

(O seminário é encarado e apresentado aos alunos como um atividade tão ou mais importante que as aulas - apesar de não haver avaliação relacionada a essa atividade. Você tem que ir porque tem e isso é respeitado - e eu diria, apreciado no sentido físico da palavra - pelos professores.)

Dentro do ringue cerimonial, os oponentes parecem ter a obrigação honrosa de dar o seu melhor atacando sem piedade cada brecha do paper apresentado. E vejo como esses ataques, mesmo os maliciosos, servem para a aprimoração da pesquisa, se não por outro motivo, pelo menos para que o autor reforce a blindagem.

Um trabalho que sobrevive a esse tipo de crítica direta, aberta, impiedosa, chega ao grande público com uma qualidade superior. É como se ele tivesse passado por uma espécie de ISO 9000.

Touché

Estou contando isso tudo porque outro dia encontrei no pub, - esse espaço da democratização do convívio na Inglaterra - por coincidencia, bebendo juntos, dois protagonistas dos principais confrontos em seminário deste ano letivo.

Eles são antropologos conhecidos e reconhecidos, com produção respeitada e relevante em suas áreas. E eu jurava que havia entre eles uma profunda inimizade, tendo em vista a intensidade dos ataques mútuos nas vezes em que eles apresentaram seus papers. Mas lá estavam, bebendo e conversando no pub.

Porque eu já tinha bebido e estava ficando corajoso, tomei a palavra e disse exatamente isso para eles, e que suspeitava que os confrontos fossem também uma espécie de representação.

Eles riram, em parte concordando, mas um deles fez o seguinte comentário:

- Melhor assim do que viver no ambiente hipócrita em que há o respeito formal entre os professores, ninguém se critica publicamente (mas se amaldiçoam nos bastidores) e cada um tem seus alunos-seguidores para se sentirem endeusados e intocáveis.

Pois é, meus amigos: touché?

Salvem o seminário

Recebi da Alesscar este texto curto, publicado no site da Times Higher Education, falando da tradição do seminário inglês e do perigo dela se perder.

É importante o que ela fala sobre o esforço de prestar atenção.

Nem todo seminário é bom e emocionante.

Nem só professores faixa-preta apresentam seus papers. Vêm cadidatos a doutores, pesquisadores, da própria instituição e de fora. Alguns falam baixo, alguns falam complicado, etc.

Esse é um preço do seminário: prestar atenção sempre, independente de quem está apresentando. É um esforço conjunto de quem assiste e de quem fala. E parece que mesmo aqui, esse esforço está se tornando desinteressante.

Comentários



Como acompanhar e participar do casamento real pela Internet

Sexta-feira, dia 29, é o dia do casamento real britânico. Milhares de pessoas nas ruas de Londres, centenas de milhares provavelmente acompanhando o evento pela TV ou por outros meios. Muita gente é sinônimo de oportunidade para observar e participar de experimentos via Internet.

Aqui vão algumas informações úteis para explorar a comunicação em rede durante o casamento.

- o hashtag é #rw2011 (ou #RoyalWedding), mas pode-se adotar também o #rw2011BR para filtrar as mensagens de tuiteiros brasileiros

- Haverá transmissão ao vivo pelo canal do YouTube: http://www.youtube.com/TheRoyalChannel

- O Mashable já fez o serviço de juntar todos os links relacionados ao evento, inclusive: site oficial, página oficial no Facebook, Flickr e conta no Twitter, além da relação de sites que farão streamming do video.

- A BBC fez uma reportagem televisiva sobre o uso da internet na cobertura do evento. Lembrou que este será o casamento real em que as pessoas poderão estar mais perto dos acontecimentos. Será também um experimento para a realeza do país em relação ao uso do Internet. O próprio anúncio do casamento saiu primeiro pelo Twitter em 23 de novembro.

- Para se ter uma ideia do trajeto, o Google colocou no ar uma animação em 3D e o jornal Daily Telegraph registrou o roteiro da rua em um vídeo de 42 segundos.

- O site Market Sentinel mostra a reverberação do casamento até o momento na Internet e traz, além dos links que já estão neste post, referências de apps relacionados ao tema.

Para quem estiver em Londres

- Para quem estiver na cidade, há previsão de chuva forte durante todo o dia. Aqui está a agenda do evento.

O blog da Kaplan em Portugal indicou quatro lugares para se acompanhar a celebração de Londres: Trafalgar Square, Hyde Park, Leonard Street Royal Wedding Party e Royal Wedding Battersea Street Party, cada um com um tipo de atrativo diferente, com níveis diferentes de bagunça ou tranquilidade. Um amigo me disse que há um recorde de festas de ruas marcadas para acontecer no dia.

Acho que o FourSquare, porque permite o compartilhamento de lugares, também vai ser interessante de usar por quem estiver na cidade, para ver onde seus amigos estão. Aqui tem uma relação de quatro de jornalistas que aparentemente estarão usando o serviço para fazer a cobertura.

E finalmente, será também uma oportunidade interessante, pelo volume de pessoas, de se experimentar o app Color, que compartilha fotos com pessoas que estejam fisicamente próximas.

Comentários



Syndicate content