Warning: Table './db186965_naozero/watchdog' is marked as crashed and should be repaired query: INSERT INTO watchdog (uid, type, message, variables, severity, link, location, referer, hostname, timestamp) VALUES (0, 'php', '%message in %file on line %line.', 'a:4:{s:6:\"%error\";s:7:\"warning\";s:8:\"%message\";s:40:\"Creating default object from empty value\";s:5:\"%file\";s:93:\"/nfs/c06/h05/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc\";s:5:\"%line\";i:33;}', 3, '', 'http://naozero.com.br/taxonomy/term/63', '', '54.196.5.6', 1534778048) in /nfs/c06/h05/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/includes/database.mysql.inc on line 135
information overload | Não Zero

information overload

warning: Creating default object from empty value in /nfs/c06/h05/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc on line 33.

Overload informativo - comentário sobre o texto do Cris Dias

O Cris Dias publicou hoje um texto que repercutiu bastante na Rede sobre o velho assunto do overload informativo. Digo "velho assunto" não por desdem, mas por resignação, por considerar o overload informativo uma espécie de carma ou, sei lá, uma condição neurológica.

Se a ansiedade decorrente do overload não comprometeu a minha capacidade de assimilação de conteúdo, o Cris diz que deixou de se preocupar com estar sempre por dentro de tudo, de ficar naquela pilha para ver o que se tuitou, emails novos, etc. Essa nova postura, ele explica, vem da observação de que as coisas realmente importantes são retuitadas, circulam... e acabam chegando para a gente. (Continue lendo.)

Torço para que daqui para frente o Cris não se veja mais tendo crises de abstinência informativa, mas as minhas experiências com esse tipo de reprogramação de hábito sempre trouxeram, depois do alívio inicial, mais pressa.

Comentários



Como ajustei o Twitter para não ficar maluco (nem desencanar de vez)

Reduzi pela metade o número de pessoas que estou seguindo no Twitter. Já faz tempo que estou batendo cabeça, tentando me adaptar a um mecanismo que a cada dez ou vinte segundos traz uma mensagem muitas vezes irrelevante para mim, de uma pessoa que eu não conheço.

Outro dia a @Rosana Hermann saiu perguntando pelo Twitter como as pessoas decidiam a quem seguir. Minha fórmula era a seguinte: abria cada email de notificação e observava duas coisas, se a pessoa tinha blog (fundamental) e se o assunto era do meu interesse.

Outra coisa que prejudicava: desde o começo eu usava o GTalk como cliente. É prático: o Twitter se torna mais um contato. Mas ele não separa os diferentes tipos de informação. Ou você acompanha tudo ou não fica sabendo das conversas e comentários que te envolvem. Isso gera ruído demais.

Imagino que muita gente tenha desistido de usar o Twitter porque não conseguiu ou não teve paciência para ajustar a sintonia. Aqui vai o resumo desta minha última tentativa de domesticar o canal.




Como ajustar o Friendfeed para receber informação sob medida

Faz pouco tempo eu falei do Friendfeed, uma evolução em termos de agregador de informação online. Mas tava ficando chato receber diariamente esse conteúdo e perceber que a grande maioria era de mensagens de pessoas que eu acompanho no Twitter.

De novo quero mexer na sintonia para tentar encontrar o equilíbrio entre filtro e ruído. Nesse caso, para o Friendfeed.

Eu não sabia e talvez outras pessoas também não saibam que existe uma maneira de ajustar que tipo de informação se quer receber. Por exemplo, voce quer me seguir mas são quer receber as minhas tuitadas. Isso é possível.




Ajustando a sintonia para ver se aproveito melhor o Twitter

É tudo uma questão de acertar os filtros. Esse é o grande tema da comunicação, especialmente no contexto da mídia social.

Confesso que ainda não me adaptei ao Twitter. Ainda preciso encontrar o equilíbrio para a quantidade de pessoas que estou seguindo. E fazer tracking de um tema como "social media" é desesperador.




Overload: para onde estamos indo?

Danah Boyd de novo. Passo meses "longe" dela e uma espiada me mobiliza.

Esse fim de semana fomos jantar com uma amiga, executiva internacional, aproximadamente 30 e vários anos, vivendo só em São Paulo. Ela se casou com seu trabalho mas não, não se tornou uma pessoa amarga. Entre tragos de vinho, ela se / nos perguntou: - Como as pessoas que têm família conseguem viver assim? É a mesma dúvida de DBoyd. A miséria dos ricos. Me lembra um pouco essa crônica do vivaSP.com.

O assunto às vezes é o overload informativo. Quem lê tanta notícia, Caetano? E trabalho, também, que vai no mesmo ritmo.




A busca pela eficiência, até quando? Ou: será que estamos doentes?

Me lembro de uma história. Não sei quem me contou ou quando. Era mais ou menos assim: um cientista visitou uma aldeia miserável no Peru. Os índios trabalhavam de sol a sol para tirar o mínimo para sobreviver. O visitante pensou: - Imagine a prosperidade deste lugar se eles tivessem tecnologia. E voltou à civilização, fez lobby e etc, até conseguir tratores para os moradores da tribo.

Voltou no ano seguinte à tribo e encontrou a mesma situação de penúria.




FriendFeed: tudo o que você precisa saber em um email por dia

Estamos emborcados de informação e qualquer coisa que filtre eficientemente o conteúdo que circula na Web estará mais perto de fazer sucesso. Essa semana recebi o segundo convite de boa procedência para participar de um site com essa finaldidade chamado FriendFeed e, por isso, resolvi investigar.

Primeira impressão positiva: simplicidade. Em três parágrafos curtos você entende o propósito da ferramenta: é um RSS aperfeiçoado. Uma pessoa involvida com a internet hoje deixa seus rastros por uma série de sites: links no Del.icio.us, fotos no Flickr, vídeos no YouTube ou Vimeo, mensaginhas no Twitter, além de blogar. O FriendFeed reúne essa informação e te entrega convenientemente por email na periodicidade que você especificar. (Eu escolhi uma vez por dia.)

Imagine um Twitter com duas vantagens: 1) voce não precisa deixar o comunicador instantâneo ligado e piscando o dia inteiro, pode ver um resumo do que cada pessoa disse ao longo do dia; 2) voce não precisa mandar o link de tudo o que publica na web; o sistema acompanha a sua navegação nos sites mais populares.

O email, diga-se, não traz tudo de todo mundo. (Já pensou receber a lista do que os seus contatos publicaram no Twitter em uma mesma mensagem? Estúpido.) O FriendFeed consolida essa informação. Fica algo como: "Fulano de Tal postou no Twitter - link. Sicrano atualizou o blog - link." São entradas pequenas e a gente escolhe o que quer ver de acordo com a pressa.

Mandei o convite para alguns amigos e tenho recebido feedback positivo das primeiras impressões deles. Vamos ver se ele será de fato útil no dia a dia ou se vai ser mais uma fonte de informação em meio a tantas.




Como o Twitter ajuda a resolver o overload informativo e como aperfeiçoá-lo

Overload informativo é um dos assuntos recorrentes deste blog. Outro dia, proseando com o André Passamani, ouvi ele falando que gostaria de não ter que ler a não ser material recomendado e já resumido. Esse é o sonho de quem se embrenhou na rede e está atravessando essa fase de adaptação do broadcast para o "socialcast" (que tal o termo?), a informação transmitida por identificação dentro de grupos de interesse comum informais.

Segue uma reflexão rápida sobre o Twitter como solução pra esse problema e de como essa solução de filtragem poderia ser aperfeiçoada.




Obesidade informativa

Tenho registrado minha angústia por não dar conta de administrar a quantidade de informação que eu gostaria. Entre prazer, obrigações e curiosidade de pesquisa, estou (não é de hoje) me afogando em RSSs, email, artigos, livros e informação de outros tipos.

A Silvana Gontijo, minha parceira de Arena Jovem na Bienal, me ouviu falar do termo "information overload" e riu dizendo que por conta própria tinha cunhado sua versão brasileira: "obesidade informativa".




Syndicate content