Warning: Table './db186965_naozero/watchdog' is marked as crashed and should be repaired query: INSERT INTO watchdog (uid, type, message, variables, severity, link, location, referer, hostname, timestamp) VALUES (0, 'php', '%message in %file on line %line.', 'a:4:{s:6:\"%error\";s:7:\"warning\";s:8:\"%message\";s:40:\"Creating default object from empty value\";s:5:\"%file\";s:93:\"/nfs/c06/h04/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc\";s:5:\"%line\";i:33;}', 3, '', 'http://naozero.com.br/taxonomy/term/72', '', '54.82.79.137', 1542560782) in /nfs/c06/h04/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/includes/database.mysql.inc on line 135
social | Não Zero

social

warning: Creating default object from empty value in /nfs/c06/h04/mnt/186965/domains/naozero.com.br/git/public/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc on line 33.

Fantástico mostra movimento comunitário para levar internet a uma favela carioca

Faz umas duas semanas, assisti por acaso no Fantástico esta reportagem da série Central da Periferia sobre a favela de Antares no Rio. (Aqui está o link oficial, mas também foi publicada no YouTube - veja no final deste post.)

O resumo da ópera é que um morador está se mobilizando e mobilizando outras pessoas para disponibilizar acesso wireless dentro da favela.

A reportagem mostra como, em certos aspectos, a favela está à frente em termos de utilização da Web. Uma pizzaria, por exemplo, recebe pedidos pelo MSN. E os "nerds" locais também estão se apropriando dos recursos de registro em vídeo para produzir e disponibilizar conteúdo. (Eles estavam filmando a reportagem, mas não encontrei o material no YouTube.)

O antropólogo Hermano Vianna, um dos idealizadores do projeto OverMundo, foi creditado como consultor.

Repito sempre a história presenciada pelo Passamani de crianças de rua "mendigando" notas de consumo na porta de uma loja Mac Donalds para terem direito de acessar a internet da lanchonete.

Essa experiência de Antares também lembra o projeto Hole in the Wall, na Índia - aqui e aqui. Graças a um computador e uma conexão à rede, sem assistência ou supervisão, crianças e adolescentes pobres da Índia aprenderam aproximadamente 400 palavras no prazo de uns poucos meses.

Me lembrei ainda da história do Mackeenzy do Videolog, registrada pelo Cazé no último Intercon.

A história de Antares me interessou fundamentalmente por dois motivos. Primeiro pela demanda ter chegado da comunidade. E também porque se houver um caso de sucesso, os governos terão uma referência de quanto custa e como se faz para disponibilizar internet em áreas carentes.

A intenção clara da reportagem foi chamar a atenção da iniciativa privada, para ver se alguém se anima a reduzir o custo do link para que a transmissão aconteça.

Fiquei pensando se, ao invés disso, o mentor do projeto não recebeu uma proposta de emprego. Pelo visto, o cara reúne a capacidade de improvisação da nossa cultura e a vontade de aprender, de pesquisar. É a próatividade em pessoa.




Fim do silêncio

Algumas pessoas sabem por alto, mas a maioria ainda não está sabendo. Como queríamos fazer uma surpresa, seguramos a informação até agora.

A novidade é que fomos - eu e o André Avorio do Blaz - convidados para ajudar a transformar a Rádio Cultura AM em um veículo de comunicação 100% colaborativo. Isso quer dizer que o usuário será co-produtor que todo o conteúdo transmitido, tanto a seleção musical como escolha das pautas de programas e matérias jornalísticas.

O site só vai entrar no ar na segunda, 17, dia do lançamento, mas o release já saiu para a imprensa e estou repassando abaixo.

Estamos muito contentes pela oportunidade e vamos agradecer de coração o feedback para aperfeiçoar o projeto (assim que ele estiver no ar).




Coisas que acontecem quando você publica um livro

Há dois dias recebi uma mensagem da editora. Uma pessoa - aparentemente um senhor de mais idade - tinha ligado para pedir meu telefone... Eu não soube o que pensar na hora. Dar o meu telefone assim? Quem era essa pessoa que não podia me mandar um email? (Email é mais impessoal. A gente pode priorizar, responder depois ou eventualmente nem responder, "esquecer".) Mas acabou que eu mandei o número.

Cinco minutos depois o telefone tocava.




Syndicate content