Case de voluntariado: grupo se reúne quinzenalmente para conversar com moradores de rua

Este post e o anterior fazem parte da ação Dia do Voluntariado.

Vou escrever sobre um grupo voluntário que se formou e atua de forma independente, sem estar vinculado a instituições.

Vou falar sobre eles não para promove-los para potenciais voluntários, mas para mostrar que não existe oportunidade ideal para atuar. Só depende de querer.

Esse grupo que vou integrar tem oito pessoas e surgiu a partir da amizade formada entre eles dentro do movimento espírita.

Eles atuam há quase cinco anos e de forma autônoma. Também não têm um líder: se falam e dividem entre si as responsabilidades pelo trabalho.

O objetivo do grupo é conversar amigavelmente com moradores de rua. E eles levam consigo um lanche para ter o pretexto para a aproximação.

Utilizam o livro Minutos de Sabedoria [download PDF], porque não tem vínculação religiosa. Para os que aceitam, eles lêem uma página à escolha deles e fazem juntos um pai Nosso.

Eles saem de 15 em 15 dias.

No inverno, entregam, além do lanche, cobertores, agasalhos e meias.

Em dezembro, habitualmente, eles passam algumas horas com os moradores de rua, na véspera de Natal, dia 24.

E fazem também um lanche diferente nessa data, caprichado com docinhos e coisas desse tipo.

Poderei contar mais quando tiver feito a primeira incursão junto com eles.